pagina inicial Petrobras
Tartarugas Marinhas
Visite o Tamar
O que fazemos
Onde estamos
Mais informações

Provamos o "gosto amargo do rio Doce"

08/01/2016 - Tamar junta forças com as comunidades no Espírito Santo para enfrentar os desafios impostos pelo desastre. Leia mais. ↓

Provamos o

Transferência de desova, Comboios/ES.

Algumas ações vem sendo realizadas pelo Centro Tamar-ICMBio no Espírito Santo para a proteção dos ninhos de tartaruga-de-couro (Dermochelys coriacea) e tartaruga-cabeçuda (Caretta caretta), duas espécies em plena temporada de reprodução em meio ao desastre ambiental. Uma dessas ações é a transferência de desovas em pontos da praia diretamente afetados pela presença dos resíduos. As desovas são levadas para locais mais afastados considerados seguros, como explica o coordenador do Centro Tamar-ICMBio, João Carlos Thomé, o que normalmente já é realizado quando são depositadas pelas tartarugas em locais bem próximos à foz do Rio Doce, ou em erosão ou expostas a algum risco.

As fêmeas submetidas aos possíveis perigos responderão à alteração ambiental de acordo com sua própria capacidade de adaptação, que ainda é desconhecida. O coordenador conta que apenas a partir do final da atual temporada reprodutiva, em torno de abril/2016, mais ou menos, uma análise dos dados regularmente coletados pelo Tamar possibilitará ter informações sobre possíveis mudanças no comportamento das fêmeas, por exemplo, quanto à escolha do local de desova. “Até o momento, parece que não houve alteração da escolha do local, pois as tartarugas estão saindo normalmente para desovar nas áreas atingidas pela pluma de água com sedimentos. A presença da lama no mar obrigou ampliar a área em que as ações de transferência de desovas são realizadas e intensificar o monitoramento, um trabalho que tem como objetivo a proteção dos futuros filhotes. Os que estão nascendo agora, tentamos ao máximo levá-los para locais onde o mar está mais limpo, para que o primeiro contato com a água não seja com lama”, diz Thomé.

Iniciou-se também a coleta de amostras de sangue de tartarugas encontradas na praia durante a desova para análises posteriores capazes de avaliar se há intoxicação por substâncias químicas eventualmente trazidas pela lama ao mar. Também estão sendo coletadas amostras da areia da praia, na profundidade onde ficam os ovos, para análises das suas condições físicas e químicas.

Os pesquisadores estão lidando com uma situação inédita, de grande porte e que ainda está em andamento. Graças à série histórica de dados regularmente coletados na região há mais de 30 anos pelo Projeto TAMAR será possível a partir do final da atual temporada reprodutiva iniciar uma avaliação mais concreta sobre os impactos. Só então haverá informações mais claras quanto aos efeitos das atuais alterações ambientais sobre as tartarugas marinhas que habitam e se reproduzem no litoral norte do Espírito Santo.

Mobilização para apoiar as comunidades - No domingo, dia 10 de janeiro, no centro de visitantes de Vitória/ES, será o lançamento da campanha 'Lágrimas do Rio Doce' com uma programação para refletir e conversar sobre o que está acontecendo e o que podemos fazer para ajudar as pessoas, as tartarugas, a biodiversidade local. Como conta um dos organizadores do evento, Leonardo Merçon, “queremos criar uma corrente colaborativa para transformar os registros audiovisuais que fizemos até agora em um documentário e exposição fotográfica nas escolas, sobre o rio Doce”. A grande surpresa dessa mobilização será o lançamento da música e videoclipe “Cacimba de Mágoa”, feita em homenagem ao rio Doce, produzida e gravada pelos músicos Tato do Falamansa e Gabriel O Pensador. Toda a renda arrecadada com o download da música na web após o lançamento irá para um fundo independente para ações de recuperação na Foz do Rio Doce. Refrão: “O sertão vai virar mar / é o mar virando lama / gosto amargo do rio Doce / de Regência a Mariana”.

TAMAR - Criado há 35 anos, o Projeto TAMAR é uma soma de esforços entre a Fundação Pró-TAMAR e o Centro Tamar/ICMBio. Trabalha na pesquisa, proteção e manejo das cinco espécies de tartarugas marinhas que ocorrem no Brasil, todas ameaçadas de extinção: tartaruga-cabeçuda (Caretta caretta), tartaruga-de-pente (Eretmochelys imbricata), tartaruga-verde (Chelonia mydas), tartaruga-oliva (Lepidochelys olivacea) e tartaruga-de-couro (Dermochelys coriacea). Protege cerca de 1.100 quilômetros de praias e está presente em 25 localidades, em áreas de alimentação, desova, crescimento e descanso das tartarugas marinhas, no litoral e ilhas oceânicas dos estados da Bahia, Sergipe, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina. Reconhecido internacionalmente como uma das mais bem sucedidas experiências de conservação marinha do mundo, seu trabalho socioambiental, desenvolvido com as comunidades costeiras, serve de modelo para outros países. O Projeto TAMAR tem o patrocínio oficial da PETROBRAS, através do programa PETROBRAS Socioambiental, e nos nove estados brasileiros onde atua recebe diversos apoios locais. 

Saiba mais:

'Nem deu tempo de chorar': a difícil missão de salvar filhotes de tartaruga de 'mar de lama'
Camilla Costa,BBC Brasil em São Paulo, 25 novembro 2015.

Tartaruga Oliva

Fernando de Noronha - PE

Centro de Visitantes

Mais informações - Visualizar informações anteriores

Petrobras